Processo criativo – mensagem

E aí, povo!

No post de hoje, irei falar da coisa que é simplesmente A MAIS IMPORTANTE DE TODAS num livro. A mensagem.

Muita gente vê estórias, seja no cinema, teatro, quadrinhos ou literatura, como puro entretenimento. Não eu. Não SÓ entretenimento. Pra mim, isso é coisa muito séria! =D

Você já se perguntou por que a gente conta estórias uns para os outros? Estórias fantasiosas, com seres incríveis, heróis, vilões, amores, guerras. Se você não sabe, tudo isso começou com os mitos.

Aí, existe toda uma noção totalmente errada hoje em dia de que mito é igual mentira. Errado. Os mitos, todos os mitos, de qualquer religião, cultura e país são pura verdade! Mas cuidado… a verdade não está na frente dos olhos. Não está nas palavras. Está nas entrelinhas, escondido entre os parágrafos. Está no sentido do texto, numa linguagem simbólica, tem a ver com o que você sente ao lê-lo, com o que as imagens, paisagens e personagens representam. Não a estória em si. Dito de outra forma, o mito é verdade, mas não deve ser tomado literalmente!

O mito é uma estrutura inventada por esse sábios Homo sapiens como uma forma eficaz de se passar uma mensagem e  prender nossa atenção, fazendo-nos sentir envolvidos, ter empatia com a estória, com os personagens. E qual é a mensagem? Bem, isso depende de cada estória, mas os mitos das religiões nasceram da necessidade de expressar algo que simplesmente não pode ser dito com palavras. Surgiram as famosas metáforas ou parábolas.

Hoje em dia, nossos mitos evoluíram. Não são estórias contadas ao redor da fogueira por uma tribo indígena. Agora eles tem imagens e sons, tem páginas e mais páginas de letras impressas. Perdeu também muito do significado, já que virou comércio, forma de enriquecer e o que importa não é mais a beleza da mensagem passada, mas sim o puro entretenimento. Cenas de ação, de sexo etc.

O que quero dizer é que é imprescindível tomar consciência da mensagem que se quer passar. Qual é a coisa mais importante que você aprendeu na vida? O que vale a pena ser passado para frente? A partir daí é que você pode começar a compor sua estória, como uma forma de demonstrar essa sua opinião. Lógico que o processo pode ser o contrário também. Você pensa primeiro em uma estória genial, mas a partir daí, pare pra pensar quais são os temas abordados e o que você pensa deles. Isso vai deixar o texto muito melhor e com um verdadeiro valor artístico.

Dito de outra forma, a estória, a trama, deve servir como um embrulho. Um belo embrulho para a mensagem escondida lá dentro. A estória deve servir à mensagem, nunca o contrário. A arte veio para fazer o homem evoluir, jamais devemos esquecer disso. A função dela é nos fazer questionar, mas não há nenhum mal em nos entreter enquanto isso.

Esse é um assunto muito rico e tenho muito mais coisas pra falar sobre isso, mas o texto ficaria muito longo. Fica para um próximo post, ok?

Grande abraço!

André Cardinali

Anúncios

Uma resposta

  1. adiministrador

    Caro André Cardinali, voce foi indicado pelo Adrés do blog a essencia do dragão, para uma entrevista no meu blog http://www.mundo-doscomentarios.blogspot.com e gostaria de saber se estava interessado em participar qualquer duvida va para o meu blog no marcador teia de blogs Grato Adiministrador

    6 de fevereiro de 2011 às 12:21

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s